"A única fronteira entre os povos é a língua".............."A ignorância afirma ou nega veementemnte; a ciência duvida"

domingo, 8 de janeiro de 2017

-"A situação horrorosa a que Angola chegou"


A SITUAÇÃO HORROROSA A QUE ANGOLA CHEGOU !
O "New York Times" denuncia a corrupção e os crimes contra a humanidade que são cometidos em Angola, o país com a maior mortalidade infantil.


video

O outro lado de Luanda

O OUTRO LADO DE LUANDA
Angola é o país onde mais crianças morrem em todo o mundo. O Governo gasta 45 milhões de Euros por ano em carros de luxo.

video

LUANDA: COMO É POSSÍVEL DEIXAR A JÓIA DE ÁFRICA FICAR NUM LAMAÇAL ? !

video

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

-"DESENRASCANÇO": a "arma" portuguesa que o Mac Gyver aprendeu a dominar"

  
Agora que o Mac Gyver vai voltar à TV em Portugal, parece-me oportuno recordar o texto que publiquei em 10.01.2014

A palavra que mais falta faz na língua inglesa ! ...

O sítio da internet CRACKED publicou uma lista das 10 palavras que mais falta fazem na língua inglesa e em primeiro lugar estava a palavra portuguesa “desenrascanço”. 
Publico a seguir a tradução do trecho do artigo que a ela se refere. 



“ Ser um Mac Gyver !
Esta é a arte de encontrar a solução para um problema no último minuto, sem planeamento e sem recursos. É o cabide que Você usa para pescar as chaves do carro caídas na sanita, etc.O mais interessante sobre o desenrascanço é o que diz sobre a cultura portuguesa. Enquanto nós fomos criados no lema dos escuteiros “estar preparado”, o conceito dos portugueses é exatamente o oposto. Ideias e improvisos de última hora são habilidades muito valorizadas ao ponto de serem ensinadas nas universidades e nas forças armadas. Eles acreditam que esta capacidade de encontrar soluções casuais tem sido fundamental para a sua sobrevivência ao longo dos séculos."Fuck preparation ! ... They have desenrascanço !"Não se riam ! ...  Graças a isso eles conseguiram construir e gerir um império que se estendeu do Brasil às Filipinas."



De "Inteligência Económica" respiguei o seguinte comentário:

"Os americanos descobriram que os portugueses têm o que eles queriam ter mas nunca terão ... E os alemães ainda menos terão: DESENRASCANÇO.

“ Fuck preparation... They have desenrascanço !”, dizem eles e acrescentam “Não se riam. Desse modo eles conseguiram criar um império do Brasil às Filipinas”.O desenrascanço não tem, porém, nada a ver com a falta de preparação, como o texto do sítio americano sugere. O desenrascanço tem a ver com séculos, mesmo milénios, de ousar bater-se em guerras e outras situações para as quais os recursos eram, sistematicamente escassos e não eram, frequentemente, os mais adequados. E até, em certas épocas e ocasiões faltou um recurso imprescindível: uma liderança capaz e à altura. Pelo que, para não perder, sempre foi preciso “inventar”.Este posicionamento vulgarizou, entre os portugueses, a relação entre o fraco e o forte. Relação que se tornou uma constante na matriz portuguesa de  de estratégia. Sem recursos suficientes para as exigências das situações em que se batiam e, frequentemente, sem os recursos mais adequados, os portugueses tornaram o seu espírito e inteligência o recurso “gazua” para “ajeitar à tarefa aquilo de que dispõem: com o que têm “inventam” e fazem ...Num exemplo banal e clássico, em caso de curto circuíto, nenhum português esperará (como alemães e outros) pelo eleticista e, se um araminho não resolver a coisa, saca da “prata” do maço de cigarros e ... “fiat lux”. Assisti a uma estória destas com um português, radicado em Bruxelas, na sede europeia de uma multinacional americana, onde ele se encontrava por acaso.A tecnologia (a exploração do avanço tecnológico) mas também a finta e a manha são outras componentes da forma portuguesa da superação da escassez de recursos. E que aprenderam, ao longo de milénios, a ser capazes de combinar no último momento, desenrascando a situação. Nos últimos dois milénios, nas guerras travadas no seu extremo ocidental da Europa ou nas que travaram por todo o globo, os efetivos portugueses sempre foram inferiores aos que defrontavam. Pode ter havido exceções mas essa era a norma. Em suma, ao contrário do que dizem os autores do texto, o desenrascanço exige muito conhecimento e muito treino. Muita “preparation”, portanto.Veja-se Aljubarrota, esse momento por excelência do ser português. O campo de batalha a que os portugueses atraíram o invasor (com efetivos várias vezes vezes superiores e uma forte e numerosa cavalaria castelhano-francesa) foi “preparado” nas horas que antecederam a batalha. Mas a “preparação” do confronto apresenta as três caracteristicas acima referidas: a finta, a manha e a explotação do avanço tecnològico.O invasor é fintado quando é convencido de que a manobra portuguesa é algo completamente diferente daquilo que realmente era. A manha concretiza-se nas “covas de lobo”, semeadas no campo escolhido para a batalha, que neutralizaram o impacto da cavalaria sobre a pequena hoste portuguesa. A exploração do avanço científico manifestou-se na arma escolhida para ter a função principal: o arco grande, uma arma com capacidade para dizimar a cavalaria (como dizimou) e que, por isso mesmo, era absolutamente interdita de uso pela Igreja de Roma.A batalha que o invasor tinha imaginado não se deu. Pelo contrário, o que aconteceu foi uma das primeiríssimas batalhas em que a infantaria (apesar de em número inferior) dizimou a tradicional cavalaria e, por isso, e deste ponto de vista, Aljubarrota é também um toque de finados pelo feudalismo na Europa.

Improvisação e desenrascanço, sim, houve; mas muito bem “preparado”. Por isso é que aquele americano “fuck preparation” é um disparate de quem não percebeu nada do que é a matriz portuguesa de estratégia e não percebeu o que realmente é o “desenrascanço”.    



quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

-" A Pororoca do surpreendente rio Amazonas"

POROROCA, é uma palavra Tupi / Guarani, que significa "grande estrondo".

O RIO AMAZONAS, tem a sua origem no Lago Mismi, a 5.500 metros de altitude, na Cordilheira dos Andes, no sul do Peru, com o nome de Ucayalli.




No seu trajeto, até à sua foz no OCEANO ATLÂNTICO, de 6.995,06 Km, o que o torna o segundo maior rio do mundo, tem carateristicas absolutamente únicas.
- - É transversal à quase totalidade da América do Sul

- - Tem mais de mil afluentes.



- - Desagua junto ao rio Tocantins, no norte brasileiro, numa foz que representa um delta e um estuário, o que o faz ser único no mundo.
- - Tem oito nomes ao longo do seu percurso.
- - Entra no Brasil com o nome de Solimões e só em Manaus, após a junção com o rio Negro, recebe o nome de Amazonas.
     Aqui dá-se o fenómeno de as águas dos dois rios não se misturarem.


- - Com mais de 7 milhões de km2, é a maior bacia hidrográfica do mundo.
- - A área coberta que na estação seca é de 110.000 km2, na época das chuvas atinge 350.000 km2.
- - A sua largura máxima que na época seca é de 11 km, na época das chuvas chega aos 50 km.
- - Apesar de ser um rio de planície, tem uma surpreendente profundidade de 100 metros, o que o torna navegável em toda a sua extensão.

Temos aqui reunidos os elementos e as condições que dão origem a uma pororoca.

Uma pororoca acontece quando as águas de um grande rio são impedidas de desaguar devido à maré-cheia de um oceano.
A pororoca maior do Brasil, é a que é provocada quando a maré-cheia do Oceano Atlântico choca com as águas do Amazonas impedindo-as de desaguar. Durante o choque, gera-se um estrondo enorme que se designa por pororoca.


As ondas geradas chegam a atingir 4 metros de altura e penetram no rio cerca de 50 km a uma velocidade de 20 km/h.


A paz regressa após uma hora e meia de luta. O fenómeno repete-se cada 12 horas.