quinta-feira, 30 de maio de 2013

-"Programa brasileiro “C Q C” investigado pela policia por piadas racistas sobre portugueses"

A notícia
O Conselho da Comunidade Portuguesa está a processar o programa “CQC.


O programa  ‘CQC’ está a ser alvo de uma investigação pelo Departamento de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância de São Paulo depois de um episódio, ocorrido durante o campeonato da Europa de 2012, em que são feitas algumas piadas de mau gosto com os portugueses. Os apresentadores pediram, entretanto, desculpa mas de forma irónica, lembrando que fazem piadas sobre portugueses desde “1500 e só agora começaram a perceber”.
O programa brasileiro CQC, cujos moldes são muito semelhantes ao “CQC” que já esteve no ar na televisão portuguesa, ‘Caia Quem Caia’, está a ser alvo de uma investigação pelas autoridades do país. Em causa estão queixas de racismo que chegaram ao Conselho da Comunidade Luso-Brasileira de São Paulo depois de uma reportagem feita durante o jogo Portugal-República Checa, no Euro2012., e que desencadeou uma onda de protestos através da Comunidade Portuguesa e até de varios outras nacionalidades, face à falta de respeito. A  nossa associação recebeu muitas queixas, não só de portugueses mas [também] de luso-brasileiros que ficaram chocados com o tom extremamente debochado da matéria”, justifica o presidente António de Almeida e Silva, em declarações ao Diário de Notícias (DN).
No vídeo, um dos humoristas e apresentadores do programa pergunta a uma cidadã portuguesa se pode fazer um teste que consiste em verificar se a jovem tem “bigode”. Na mesma reportagem, o indivíduo refere-se aos portugueses como “burros”.
As conclusões da investigação ainda são desconhecidas mas, ainda no ano passado, os apresentadores do CQC pediram ironicamente desculpa no programa, justificando que “nós fazemos piadas de vocês [portugueses] desde 1500 e só agora vocês começaram a entender”.

O comentário
                          Embora eu considere que a “anedota de português”, tão frequente no Brasil,  é um tipo de piada que é um “tiro no pé” de quem a faz e defenda a máxima popular de que “a ignorância é muito atrevida”, sou de opinião que já era tempo de haver uma reação oficial  a esta manifestação que querendo parecer fruto de um complexo de superioridade nada mais é do que o oposto.
Já tenho ouvido muitas "piadas de português", mas a  forma como os apresentadores do programa pediram desculpa consegue ultrapassar todos os limtes tornando-se um hino à estupidez que em nada prestigia a comunicação social brasileira.





sexta-feira, 10 de maio de 2013

-"Português tem 430 restaurantes no Brasil ! "



Ele é médico, mas a verdadeira vocação de Alberto Saraiva é saber desvendar os desejos dos clientesEle é médico, mas a verdadeira vocação de Alberto Saraiva é saber desvendar os desejos dos clientes
O grupo Alsaraiva, presidido pelo português Alberto Saraiva, natural da Guarda, detém 430 lojas no Brasil, das quais se destacam os restaurantes de comida árabe Habib’s. No total, o grupo emprega 22 mil funcionários e um faturamento superior a um bilhão de reais.
 A cadeia Habib’s é a maior rede de restaurantes ‘fast food’ de comida árabe do mundo. Alberto Saraiva – que conhecemos desde São Paulo, depois da padaria deixada pelo pai, arrancou inicialmente com pizza e teve grande sucesso com o famoso rodisio, copiado logo a seguir por todos. O primeiro Habib´s surgiu em SP, em 1988 e estivemos presentes à inauguração. O produto principal eram as esfihas (um petisco da culinária árabe semelhante à pizza). Hoje a Habib´s  vende 680 milhões de unidades por ano e deverá ampliar bastante o mercado neste e no proximo ano.
Segundo Alberto Saraiva, a sua vida comercial começou quando – após a morte do pai – teve de tomar conta do negócio da família, uma padaria que tinham aberto em São Paulo. Foi aí que surgiu a sua filosofia para os negócios: “associar qualidade a preços mesmo muito, muito acessíveis”.

Aposta no ’franchising’

Em 1988, Alberto Saraiva abriu o primeiro restaurante Habib´s, em São Paulo, na altura com 20 funcionários. Mais tarde, depois de abrir 18 lojas, o empresário começou a implementar o ‘franchising’ no seu negócio, o que possibilitou a expansão da rede de ‘fast food’ de comida árabe por todo o Brasil. “Hoje, 60% dos restaurantes são próprios e 40% são franchising”, esclareceu Alberto Saraiva. 
Na área da restauração, e conforme “Portugal Sem Passaporte” já anteriormente divulgou,  o grupo Alsaraiva  possui várias outras  redes de ‘fast food’, destacando-se uma de comida italiana, chamada Ragazzo, e outra de comida variada, chamada Box30. E não falta produção dos famosos “Pasteis de Nata” bem portugueses.
Além disso, o grupo é detentor de fábricas próprias de laticínios, panificação e sorvetes, de um contact center, uma agência de viagens, uma agência de publicidade, um escritório de arquitetura, uma consultora de franquias e uma consultora imobiliária.

Mais 50 lojas ainda este ano

Para Alberto Saraiva, neste momento, a sua prioridade é a  expansão do grupo no Brasil, onde prevê abrir cerca de 50 lojas, ainda este ano, “aproveitando a boa fase económica do país”. 
No entanto, o empresário não descartou a hipótese de uma possível internacionalização do grupo, mas sublinhou que precisa de parceiros sólidos nos países estrangeiros para expandir o seu negócio. 
Quanto a Portugal – país com o qual o empresário mantém fortes relações familiares e de afeto – Alberto Saraiva contou que já houve portugueses interessados nos restaurantes, mas o negócio não chegou a concretizar-se, o que não impede que haja negociações futuras, sublinhou.

Fonte: lusa