sábado, 27 de julho de 2013

-"Lusofonia será uma designação correta ?"

Há quem questione a designação de Lusofonia atribuindo-lhe um significado que, na realidade, não tem.
Fala-se na Lusitânia, no seu povo, nos seus limites, fala-se na cor da pele de alguns lusófonos, mas não se consegue discutir o termo de forma pragmática. Nem se consegue chegar a uma conclusão !

Outra coisa não seria de esperar, visto o objeto do debate ser  um termo tão abrangente e, ao mesmo tempo, tão diáfano e romântico.
Se, por um lado, considerando a etimologia do termo, mais de metade dos portugueses e todos os que não nasceram em Portugal não se podem sentir abrangidos por ele, por outro, não podemos esquecer que as palavras tomam o sentido que se lhes atribui.
Assim e recorrendo aos dicionários, encontramos vários significados:

- a Porto Editora diz-nos que lusofonia “é o conjunto de falantes de português” ou o “conjunto de países que têm o português como língua materna ou como língua oficial”: uma definição demasiado simplista e redutora;
- o dicionário Priberam diz-nos que lusofonia é o “conjunto político-cultural dos falantes de português” e a “divulgação da língua portuguesa no mundo”: significados que já nos dizem mais qualquer coisa embora insuficiente;
- a wikipedia dá-nos uma definição mais completa ao afirmar que lusofonia é o conjunto de identidades culturais existentes em países, regiões, estados ou cidades falantes da língua portuguesa.
e por diversas pessoas e comunidades em todo o mundo”.

Com todo o respeito que os autores destas definições me merecem, lamento mas nenhuma delas me satisfaz !
Será que os descendentes de portugueses que vivem na Malásia, na China, na Índia, no Sri Lanka, na Guiné Equatorial, na Indonésia, nas Antilhas, etc., etc. e que persistem em manter a sua ascendência portuguesa e que, apesar de não falarem português, continuam a falar os dialetos que lá se formaram, não devem ser incluídos na lusofonia?
Defendo que incluí-los na lusofonia será uma questão de honra e o mínimo que por eles se pode fazer.

Mas porque é que o termo incomoda ? A Lusitânia já não existe; entre os poucos resultantes da amálgama de lusitanos, celtas, suevos, alanos, visigodos, vândalos e outros, que foram empurrados para o Norte da Península pela invasão berbére e que, mais tarde, vieram a misturar-se com os que ficaram na sua terra e absorveram forte influência muçulmana, já não há nenhum vestígio lusitano. Isto, no séc.XI !...
Cinco séculos mais tarde, a imitação dos clássicos ressuscitou o termo, ligando-o à noção de heroísmo e valentia de um povo que já nada tem ou nunca teve a ver com os lusitanos.
Camões poderia chamar à sua obra “Konisíadas” ou “Portugalisíadas” que o significado seria, exatamente, o mesmo.
O termo Lusofonia não tem nada a ver com lusitanos a não ser etimologicamente.

Considerando tudo o que acima foi dito, para mim...


 “Lusofonia é
um conceito de partilha e valorização de culturas que estão ou estiveram ligadas à cultura e à língua portuguesas.”

sábado, 20 de julho de 2013

Jogos da Lusofonia em Goa, Novembro de 2013

Goa, que foi território do ex-EstadoPortuguês da Índia

A terceira edição dos Jogos da Lusofonia, o maior evento multidesportivo de língua portuguesa, terá lugar em Goa, Índia de 2 a 10 de Novembro de 2013. Keshav Chandra, secretário do Desporto de Goa, apresentou na última Assembleia-Geral da Associação de Comités Olímpicos de Língua Oficial Portuguesa realizada em Julho de 2012 em Mafra, Portugal, o plano de organização dos Jogos em Goa.

Os 3º Jogos da Lusofonia, o  maior evento multidesportivo de língua portuguesa, serão realizados em Goa, Índia de 2 a 10 de Novembro de 2013, incluindo 9 modalidades desportivas: Atletismo, Basquetebol, Voleibol de Praia, Voleibol, Futebol, Judo, Ténis de Mesa, Taekwondo e Wushu.
Keshav Chandra, Secretário do Desporto de Goa, apresentou na última Assembleia-Geral de ACOLOP (Associação de Comités Olímpicos de Língua Oficial Portuguesa) realizada em 6 de Julho de 2012 em Mafra, Portugal, o plano de organização dos Jogos, nomeadamente: o programa das provas; os projectos das instalações desportivas, e os projectos de alojamento, alimentação e transportes. Keshav Chandra, informou ainda que, a Associação Olímpica de Goa tem o apoio do Governo de Goa e que todo o plano de preparação está a ser muito bem executado. O Ministro Chefe de Goa Manohar Parrikar, como Presidente da Comissão Organizadora, já reuniu com as Federações das diferentes modalidades desportivas presentes nos jogos, tendo analisado e discutido os pormenores das competições e exigências técnicas internacionais. Os planos e orçamentos de construção e remodelação das instalações desportivas já foram aprovados pelo governo, estando previsto em 2013 a conclusão das obras. Keshav Chandra apresentou assim um conjunto de garantias de que a próxima edição dos Jogos da Lusofonia em Goa será um sucesso e que tudo estará preparado para receber o evento.
Em face destas informações a  Assembleia Geral aprovou uma moção de confiança à organização dos Jogos da Lusofonia em Goa.
A reunião da ACOLOP em Mafra contou com a presença dos Comités de Angola, Brasil, Cabo Verde, Goa, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Macau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, Sri-Lanka e Timor. Na Assembleia Geral, que teve lugar no Convento de Mafra, foi decidido também que Moçambique será o palco dos Jogos da Lusofonia em 2017. A Assembleia geral decidiu por unanimidade que Moçambique reúne todas as condições necessárias para organizar os Jogos da Lusofonia e para assegurar o seu sucesso.

http://www.youtube.com/watch?v=-gBqFWAjMJ0

quarta-feira, 10 de julho de 2013

-"O Diário de Vasco da Gama"

"O início da Globalização"

Diário de Vasco da Gama incluído no Registo da Memória do Mundo da UNESCO


Da Agência Lusa, da Rádio ONU e da RTP (Portugal)
22 de junho de 2013


O diário da primeira viagem de Vasco da Gama à Índia foi um dos 54 documentos inscritos na terça-feira no Registo da Memória do Mundo, pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).



Selo da República Portuguesa de 1969 com as naus São Rafael e São Gabriel (esta em primeiro plano) e a caravela Bérrio, da frota de Vasco da Gama à Índia.

A aprovação da lista, pela diretora-geral da UNESCO, a búlgara Irina Bokova, foi feita na sequência de recomendações do Comité Consultivo Internacional do Programa Memória do Mundo em uma reunião realizada em Gwangju, na Coreia do Sul. A UNESCO sustentou a escolha deste importante documento da História dos Descobrimentos Portugueses, reconhecendo o “testemunho da viagem pioneira à Índia, um dos momentos-chave que mudou o rumo da história do mundo”.
A cópia mais antiga, e a única que se conhece, do texto original do Roteiro da Primeira Viagem de Vasco da Gama à Índia, 1497-1499encontra-se na Biblioteca Pública Municipal do Porto desde 1834, proveniente do Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra.
A Faculdade de Letras da Universidade do Porto disponibiliza o documento fac-similado em linha, na coleção Gâmica da Biblioteca Digital, acrescentada de uma leitura crítica do investigador José Marques.
O original do diário da viagem de Vasco da Gama à Índia, em 1497, é atribuído a Álvaro Velho, do Barreiro, e esteve exposto naquela biblioteca em 2008.
É o sexto documento português a entrar na lista da UNESCO 
e vai figurar ao lado da Carta de Pero Vaz de Caminha, de 1500, sobre a viagem de Pedro Álvares Cabral ao Brasil.


terça-feira, 2 de julho de 2013

-" O que significam as estrelas na bandeira do Brasil "



Será que a maioria dos brasileiros sabe o que significam as estrelas na bandeira do seu país ?






( faça zoom para ver o Estado que cada estrela representa )