quarta-feira, 23 de abril de 2014

- " Onde os Portugueses deixaram a sua "Pegada"


PAÍSES E TERRITÓRIOS ONDE OS PORTUGUESES DEIXARAM A SUA “PEGADA”


Além dos países e territórios a seguir mencionados, onde a "pegada" pôde ser identificada, existem outros com fortes indícios mas que ainda não puderam ser comprovados cientificamente. Estima-se que a totalidade dos países e territórios nos quais a influência dos portugueses se fez sentir seja de cerca de 55 nos quatro cantos do mundo.


Norte de África

MARROCOS


Ceuta (1415-1640); Alcácer-Ceguer (1458-1550); Aguz (1506-1525); Tânger (1471-1662); Arzila (1471-1550,1577-1589); Mazagão (1485-1769); Ouadane (1487- sécXVI);
Agadir (1505-1769) Safim (1488-1541); Mogador (1506-1525); Azamor (1513-1541)


Árica Subsariana
 

MAURITÂNIA - Arguim (1455-1633)

CABO VERDE - (1642-1975)
SENEGAL - Ziguinchor (Casamança) (1645-1888)
GUINÉ-BISSAU - (1879-1974)
GANA - Acra (1557-1578) Costa do Ouro (1482-1642) São Jorge da Mina (1478-1778)
BENIM - Fortaleza de São João Baptista de Ajudá (1680-1961)
GUINÉ EQUATORIAL - Ano Bom (1474-1778) - Fernando Pó (1478-1778)
SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE - (1753-1975)
ANGOLA - (1575-1975)               CABINDA (1883-1975)
MOÇAMBIQUE - (1501-1975)
TANZÂNIA - Quíloa (1505-1512)
ZANZIBAR - (1503-1698)
QUÉNIA - Melinde (1500-1630) - Mombaça (1593-1698, 1728-1729)
IÉMEN - Socotorá (1506-1511)



Ásia Ocidental 

OMÃ - Mascate (1515-1650)
IRÃO - Ormuz (1515-1622) Bandar Abbas (1506-1615)
BAHREIN - (1521-1602)  


Subcontinente Indiano 


ÍNDIA


Laquedivas (1498-1545); Cochim(1500-1663); Coulão(1502-1661); Cananor(1502-1663); Nagapattinam (1507-1657); Goa (1510-1962); Calecute (1512-1525); Maldivas (1518-1521,1558-1573); Paliacate (1518-1619); Chaul (1521-1740); São Tomé de Meliapor (1523-1662) (1687-1749); Chittagong (1528--1666); Salsete (1534-1737) Bombaim (Mumbai) (1534-1661);Baçaim (1535-1739);); Diu (1535-1962); Cranganor (1536-1662); Surate (1540-1612)
Thoothukudi (1548-1658); Damão(1559-1962); Mangalore (1568-1659); Hughli (1579-1632); Masulipatão (1598-1610); Dadrá e Nagar-Aveli (1779-1954)

SRI LANKA - Ceilão Português (1518-1658)
  
BANGLADESH - Chittagong (1528-1666)


Ásia Oriental e Oceânia

INDONÉSIA


Bante (séc. XVI-XVIII); Flores (século XVI-XIX) Macáçar (1512-1665);

Ternate (1522-1575), Molucas (Amboina) (1576-1605) Tidore (1578-1650) 

MALÁSIA - Malaca Portuguesa (1511-1641)

TIMOR PORTUGUÊS (Timor-Leste) (1642-2002)

CHINA - Macau (1557-1999)

JAPÃO - Nagasaki (1571-1639)


América do Norte

TERRA NOVA - (1501–1570?); LABRADOR - (1501-1570?); NOVA ESCÓCIA (1519–1570?)


América Central e do Sul

BRASIL - (1500-1822);

BARBADOS - (1536-1620)

URUGUAI - Colónia do Sacramento (1680-1777); Província Cisplatina (1808-1822)
GUIANA FRANCESA
(1809-1817)

  CURAÇAO;     ARUBA;    BONAIRE;     SURINAME .

domingo, 13 de abril de 2014

-" Fortaleza faz hoje 410 anos "

Toda a verdade sobre o 13 de abril. Fortaleza tem 410 anos, a 
Camara Municipal 313 e alguns políticos dizem que tem 288.



Praça de Portugal em Fortaleza

Imagine uma cidade que completasse 288 anos e a câmara dos vereadores, 313. Pois esta cidade existe e chama-se Fortaleza. Adauto Leitão de Araújo Júnior, historiador e pesquisador do Marco Zero de Fortaleza chama a atenção dos fortalezenses para isso.
Diz ele que Fortaleza, na verdade, está completando 410 anos e não 288 e que o início de sua fundação data de 1604 quando Pero Coelho de Sousa, acompanhado por Martim Soares Moreno, esteve no Ceará, a primeira vez, e aqui levantou o Fortim de Santiago às margens do Rio Ceará, na Barra do Ceará. Não fosse isso, diz Adauto, Fortaleza não existiria. E diz por quê. A origem do Brasil, segundo ele, se deu, de fato, quando a Coroa Portuguesa instituiu as Capitanias Hereditárias. Assim, surgiu a Capitânia do Ceará que seria governada por Antônio Cardoso de Barros. Como Antônio Cardoso de Barros não veio para o Ceará, as terras destinadas a esta capitania poderiam ter ficado com a capitania do Pará ou do Rio Grande do Norte. Neste momento surgem Pero Coelho de Sousa e Martim Soares Moreno para salvar a situação. Pero Coelho levanta o Fortim de Santiago e Martim Soares o de São Sebastião.
A fundação de Fortaleza, portanto, data daí, segundo Adauto Leitão. E se alguém levanta a hipótese de que o Forte de Santiago e de São Sebastião são dois casos isolados na história do Ceará, Adauto responde. Diz que a Câmara Municipal de Fortaleza tem 313 anos e funcionou, a primeira vez, na Barra do Ceará e não na Luciano Cavalcante,  onde se encontra atualmente. E conta a história. Aquiraz era uma região rica no século XVIII e, como toda região rica, resolveu se tornar autônoma para não pagar pelo transporte de cana-de-açucar na Barra do Ceará. A cana-de-açúcar, afinal, saía de Aquiraz, em lombo de burro, e ia dar na Barra de onde partia, em seguida, para seu destino final. Como não havia ainda a ponte dos ingleses nem o porto do Mucuripe, a única saída dos produtores de cana-de-açúcar de Aquiraz era levar tudo para a Barra e embarcar. A despesa era grande e, por causa disso, os portugueses que moravam em Aquiraz se revoltaram. Pararam de mandar açúcar para Fortaleza. Reuniram-se e redigiram uma ata na qual propugnavam a formação de uma câmara municipal. A primeira do Ceará. Mas cometeram um erro. Não passaram esta informação para Pernambuco, jurisdição à qual o Ceará estava subordinado, nem para Salvador, Bahia, onde ficava o Governo-Geral. Mandaram uma carta diretamente para Portugal levada por um de seus representantes. Em Portugal o rei quis saber o que, de fato, estava acontecendo e enviou um emissário para Pernambuco a fim de saber se o povo da Barra do Ceará concordava ou não com aquela câmara e, como resultado, surgiu a primeira câmara de vereadores do Ceará na Barra e não em Aquiraz.
Datas Indicativas
As datas indicativas para se comemorar o aniversário de Fortaleza antes de 13 de abril que, segundo Adauto, foi uma decisão da ex-prefeita Luizianne Lins, eram duas. O Marco Zero, com a chegada de Martim Soares Moreno e Pero Coelho em 1604; o 13 de abril de 1726 que se relaciona com Aquiraz e uma terceira: a formação da câmara dos vereadores em 1701. Como não havia uma data precisa, a Doutora Leirice Porto, que trabalhou em vários governos de Fortaleza ao longo de sua vida, tinha o hábito de comemorar o aniversário de Fortaleza com uma peça de teatro às margens do Rio Ceará na qual mostrava, para os presentes, como teria sido a chegada de Martim Soares Moreno na Barra. Na peça, que contava com a participação da Comédia Cearense, Martim Soares Moreno era interpretado por Jorge Nerdau enquanto Ary Sherlock fazia outro personagem. Nesse tempo, continua o historiador, ninguém gastava muito dinheiro com o aniversário de Fortaleza. Hoje gastam milhões para apagar a memória da cidade e não para manter. Naquela época, pegava-se um grupo de teatro cearense e trabalhava-se com ele. Hoje, o aniversário de Fortaleza deixou de ser uma data histórica para se tornar política.
Outra disparidade, diz Adauto. Todas as cidades oriundas das Capitanias Hereditárias, segundo ele, têm mais de 400 anos. São Paulo, por exemplo, comemorou 450 agora em janeiro. Rio de Janeiro comemora 460 daqui a um mês. Salvador completará 475 e Recife 470. Só Fortaleza completa 288. E o pesquisador do Marco Zero de Fortaleza pergunta: será que há interesse, por parte de alguns políticos, em transformar a capital cearense em uma cidade moderna como se isso fosse mais importante do que ser antiga ou será que pensam que cidades modernas não podem conviver com outras, centenárias? Se fosse assim, conclui, Roma, Paris e Berlim teriam destruído seus monumentos. E não é o que acontece. Há, portanto, possibilidades de o futuro conviver com o passado sem deixar de se usufruir dos benefícios do presente tais como energia solar ou aproveitamento dágua potável.
Fonte: “o estado

sábado, 12 de abril de 2014

-" Conheça a verdadeira casa dos “Flintstones”, em Portugal "

Conhecida na região como “Casa dos Penedos” ou dos “Flintstones”, o local atrai turistas para conhecerem a casa feita totalmente de pedras na região de Fafe. O estilo de vida natural é tão levado a sério que a casa não possui energia elétrica.



Feita totalmente em pedra, a casa construída em 1972, seria o local de descanso de uma família portuguesa, mas virou um atrativo turístico. A casa que ficou famosa por seu estilo peculiar está localizada na região de Fafe, no norte de Portugal, a cerca de 10 quilômetros da cidade com o mesmo nome.
Conhecida na região como “Casa dos Penedos”, por estar construída entre quatro grandes pedras (penedo quer dizer “pedra grande”), ela demorou dois anos para ficar pronta e as únicas coisas que não são de pedra, são as janelas e portas (ambas de madeira).


A casa é a grande atração turística da cidade de Fafe que possui 14 mil habitantes e incríveis 36 igrejas. Por mais que o local se tenha transformado num ponto turístico, a “Casa dos Flintstones” não está aberta ao público. Porém, é possível apreciá-la por fora e sentir-se na Idade da Pedra.
Por mais que não possa conhece-la por dentro, não é proibido dar uma espiadinha pelas janelas. Todos os móveis são feitos de troncos de madeira que foram reaproveitados. Por exemplo, o sofá foi criado a partir de um grande tronco de eucalipto e pesa mais de 350 quilos.
Segundo informações de Victor Rodrigues que é o proprietário do imóvel, a casa de dois andares não possui energia elétrica, pois ele acredita que o local incomum representa o caminho entre as pessoas e a natureza.
Localização
A “Casa dos Penedos” está localizada entre as cidades de Fafe e Celórico de Basto, no norte de Portugal, no distrito de Braga. Fafe está situada há mais de 300 km ao norte de Lisboa, capital de Portugal.
.
Adaptado de material de Dennys Marcel